19 julho 2018

A pessoa morre (parodia)

A pessoa morre depois de tanto verme.
A pessoa morre de fome.
Depois de tanto verme a pessoa morre....
A pessoa morre. 


Lombriga, tênia, berne, esquistossomose...
esquistossomose...


(em processo)

19 fevereiro 2018

É como estar doente de uma distância
As serpentinas e peles suadas continuam a me tocar mas agora como uma despedida,
mesmo eu estando já aqui, onde existem todas essas engrenagens,
não me lembro mais como engrenar...
Como me parece pobre essa vida de mês em mês.
Mais do que nunca,
diante dessa demanda por conformidade,
eu sonho.


13 julho 2017

Nem sombra sobrou
resumiu tudo ao colateral
todo tempo no saco do desperdício

trouxe coisa de aprender
trouxe coisa de ensinar
nada disso pareceu valer

quero mais é sim
de insatisfeito
mas daquele bom jeito
um jeito de não estacionar

de muito raciocinar
vi potência, vi defeito
quase nada pra mim

14 julho 2016

Serena supremacia
Serena, a mais forte e bela
atropeladora

Sereno fim das ilusões
de superioridade branca
de elite

Serena feliz, libertária
sambando na tua cara

Serena não cabe nas tuas molduras,
nem sabe da tua existência.

08 abril 2016

"It's a lot of fun to negotiate with the unexpected."
(Wayne Shorter 30/03/2016 - Sala S. Paulo)
O tempo de querer é pouco
vamos não ter
vamos aproveitar

12 setembro 2015

Meu aniversário
Tem me dito mais da minha morte...

De encontros que já não são possíveis,
De desperdicio de talento.

Dos nossos belos planos que
já deviam ter se concretizado.

A gente toda já podia
Ter aprendido o básico do outro.

Nem espero mais isso,
Nem busco nada,

Apenas sigo e pago o aluguel,
Porque sei que pode piorar.

26 junho 2015

sou contra:
- diet
- light
- zero

21 janeiro 2015

Poder eu
Poder você
Essa gente toda só quer

08 janeiro 2015

Eu sou contra


- Disneylandias
- Zoológico
- Aquários gigantes

18 setembro 2013

Só Andreas Underberg

Andreas Underberg é um sujeito muito frio.
Matemático até no lazer.
Não fala mais do que o necessário pra viver sua rotina.
É tão só quanto os outros homens.

Na terça volta pra casa a pé a não ser que chova.
Na quinta passa no mercado pra não ter que sair no final de semana.
Não excede o planejamento,
Tem sempre seus procedimentos programados.

Um dia a farmácia de sempre pegou fogo,
Andreas teve que subir uma ladeira andar duas quadras a mais.
O seu texto de sempre não funcionou, foi desgastante.
Quando falou com Rosa, no balcão, teve que explicar coisas.

Muito contrariado, voltou pensando como não era planejado pensar, humores imprevistos.
Pegou a calçada errada e teve que atravessar uma viela a mais, inaceitável.
Naquela noite, Andreas teve que corrigir muitos cálculos
Para poder continuar a vida no dia seguinte.

Guardou aquele dia numa planilha,
Passou a analisar acontecimentos imprevistos
Buscando padrões que lhe dessem sentido
Esperou uma segunda ocorrência pra localizar a periodicidade

Andreas Underberg tem agora um planejamento bem mais sólido
e considera todos os seus planejamentos anteriores infantis e incompletos.
Aquele dia foi crucial para criação de um novo método pra calcular os procedimentos.
A inclusão dos acontecimentos raros nos cálculos lhe propicia hoje equações muito mais confortantes.

Ele continua tão só quanto os outros homens.


01 agosto 2013

Eu acho a vida uma coisa dolorosa e dificil.
Acho esse mundo um lugar ruim.
Deve ter um lado bom que eu só vejo quando me iludo,
e eu cada vez estou mais sóbrio e indesejado.

Não sinto  mais tanta raiva,
sinto meu apetite indo embora
meu tempo

Fico pensando se faz diferença
Se for só isso a vida

Fico pensando se faz diferença 
Se a alma for mesmo eterna

Dizem que o universo é eterno

10 janeiro 2013


Minha Vó, numa sessão de cinema em 58
Começou a sentir contrações
ela estava pra parir

Era uma dessas terças-feiras
De carnaval
Gordas

Tava tudo muito tranquilo
Minha vó esperou o terceiro rolo
Girar no projetor
E girou até o fim

Depois da sessão ela convidou
os amigos presentes
pra maternidade
Sem pressa pra parir

Era uma dessa noites
de carnaval de antigamente
de cinema no rolo

Nasceu  na madrugada
de uma dessas quase cinzas
Depois do terceiro rolo










24 novembro 2012

Sem alvo

Você um dia me disse
Que jamais cantaria a morte
Não queria nem pensar...

Penso no que faziamos ali
Eu comprei vinho, inventei
Que o vinho traz a verdade

Até fiquei ofendido,
Um tanto de morte bonita por ai,
morte é mais do que a decomposição

Fico pensando oque você quis,
oque eu não paguei pra ver,
problema meu...

Um adubo artistico,
gênios sempre usaram,
A musa é morte tambem.

Fico pensando hoje
Oque queria te chamando na rua, ou você
Porque carne, só, não era

Carnaval, alegoria da vida
e da morte. se fosse só luz,
só vida, não te seduzia

Penso nisso
Ficar pensando é da morte
É muito nesse caso

Você veio algumas vezes com dificuldade
Nosso encontro era tão raro e fragil
Não serviu para aquele tempo

E eu pensava...
E sofri mais que o normal,
Pesou de mais pra algo inconcreto

Algo ficou pra decifrar no teu silencio
Dessa lenda de que nada se perdeu
nada demais...

E a raiva sem alvo (não sua) que insiste
De saber que talvez você venha
E eu posso não estar

de novo

pensando demais



29 outubro 2012

Eu sei que você não tá bem
e eu te quero muito bem
mas acabou

(Aeroplano, Tatá)

24 outubro 2012

Os videos que faço pro Santo há tempos.
SANTO FORTE (VIMEO)

18 outubro 2012

Perfilados 4

Macho,
Gentil,
Sedutor,
Hedonista,
Vaidoso,
Fechado,
Mulherengo,
Comedor,
Sozinho.

Perfilados 3


Gostosa,
Corpórea,
Doidinha,
Libidinosa,
Indecisa,
Confusa,
Desejada,
Sozinha.

Perfilados 2

Altiva
Silenciosa
Elegante
Esquiva
Preciosa
Piedosa
Mimada
Protegida
Sozinha

Perfilados 1

Bom
Bonito
Sincero
Velho
Careta
Cagador de regras
Medroso
Protegido
Sozinho

26 setembro 2012

Todo mundo acha que o mundo deles é o único mundo do mundo.

02 setembro 2012

eu tenho profissão de ser sensivel.

eu to bem mal,

me pego remoendo e remoendo... 

sei lá oque.

eu to cansado
 dessa sacanagem.

de nem saber quem não me quer,

sem entender quem me maltrata. 
e qual é o motivo?
eu não me meço, não me peso, não me checo,

mas tô cheio de gente me medindo 
e medindo meus negócios.

sabe porque? não sei porque.

tô bem farto de ingratidão

eu tô bem feito e não te quero perto,

tô na luta, sem papo de feliz.
eu tô sozinho.

28 agosto 2012

Nada é mais artificial do que a paz. Não há paz na natureza.

05 junho 2012

 num controle remoto
 como monge
 longe do real
 fábula de futuro
 sem mão na massa
 Vênus transita

22 março 2012

Agora é morta,
Inês, é tarde.
A fulana quer saber?
Eu tava olhando melhor....
Cê tem um olho de um jeito,
O outro, menor.

Tava vendo...
um braço comprido
o outro tambem...
mais osso do que eu.

bem mais do que beleza,
era o jeito de fazer.
tava tudo no sorriso,
mas no sorriso de quem vê.

Que longe que foi
Esse retrato que eu tirei
A distancia sempre em nós
E a imagem.

15 março 2012

Velho de nascença.
Sabido,
No entanto, cansado.
Cansado,
No entando,
Sabido.
Velho de nascença.

17 fevereiro 2012

Vou transmutar na macaca
A monga vem com tudo
de onde os cururus não passam.
E eu não tenho asas

Mas estou aqui em minha jaula
Onde os cururus nao passam.
Eu vou pulando, arrebentando as grades,
Sou a monga do meu quintal. Mongatown.

Andando por entre os becos
Andando em coletivos
Ninguém foge da peluda
Nas ruas da Mongatown (2x)


................ em obras

Esta noite sairei, vou beber com meus amigos... ha!
E com as asas que os urubus me deram ao dia
Eu voarei por toda a periferia
Vou sonhando com a mulher
Que talvez eu possa encontrar
E ela também vai andar na lama do meu quintal é
Manguetown

Andando por entre os becos
Andando em coletivos
Ninguém foge ao cheiro sujo
Da lama da manguetown (4x)

Fui no mangue catar lixo
Pegar caranguejo
Conversar com urubu

10 fevereiro 2012

Com a fé que não me cega,
ponho a mão no fogo de luva,
um ovo pra Santa Clara,
sem esquecer o guarda-chuva.

22 janeiro 2012

O teu desprezo,
É todo meu.
O passado, o futuro e o presente
que você me deu.

O teu desprezo,
é inconteste.
altivo, tem porte de rei
mas nunca envelhece.

Cê nem pisou em mim
Cê nem me abandonou
Cê nem chegou,
cê nem ouviu, cê nem falou

Eu vou te perdoar,
isso é pro nosso bem
o teu desprezo
é tudo que a gente tem.

19 novembro 2011

Meio

Música nao é meio de vida.
é vida inteira,
mas é vida de meio,
de meio a meio no teu meio.

É vida de meio.
É de todos os meios.
Ao vivo no meio do olho
Do teu olho do meio.

(Pedro Gonza)

07 novembro 2011

Instruções-exemplos sobre a forma de sentir medo

Numa aldeia da Escócia vendem-se livros com uma página em branco perdida em algum lugar do volume. Se o leitor desembocar nessa página ao soarem as três da tarde, morre.
Na Praça do Quirinal, em Roma, há um lugar conhecido pelos iniciados até o século XIX e do qual, em noites de lua cheia, vêem-se mexer lentamente as estátuas dos Dióscuros que lutam com seus cavalos empinados.
Em Amalfi, no fim da zona costeira, há um dique que penetra pelo mar e pela noite. Ouve-se um cão latir para além do último farol.
Um senhor está pondo pasta nos dentes na escova. De repente, vê, deitada de costas, uma diminuta imagem de mulher, feita de coral ou talvez de miolo de pão pintado.
Ao abrir o armário para apanhar uma camisa, cai um antigo calendário que se desmancha, se desfolha, cobre a roupa branca com milhares de sujas traças de papel.
Sabe-se de um caixeiro-viajante que começou a sentir dor no pulso esquerdo, justo debaixo do relógio de pulso. Ao arrancar o relógio, o sangue jorrou: a ferida mostrava os sinais de uns dentes muito finos.
O médico acaba de nos examinar e nos tranqüiliza. Sua voz grave e cordial precede os remédios, cuja receita ele escreve agora sentado à mesa. De vez em quando levanta a cabeça e sorri, animando-nos. Não é nada demais e daqui a uma semana estaremos passando bem. Nos refestelamos no sofá, felizes, e olhamos distraidamente em volta. De repente, na penumbra debaixo da mesa, vemos as pernas do medico. Ele arregaçou as calças até as coxas e veste meias de mulher.

(Cortazár - Histórias de Cronópios e de Famas)

27 outubro 2011

sensível
à coisas que não quero dizer,
que não quero por nome,
não quero definir.

Trazendo tragédia na trova,
pra já avisar logo
que meu mundo não é bolinho
e nem eu.

26 outubro 2011

eu te beijaria e começaria uma nova humanidade a partir disso.
eu não escreveria mais nada.

22 outubro 2011

Veterinária

Existe uma bactéria
que dá no ser humano.
Eles trazem da rua
e espalham dentro de casa.

Só que não da pra saber,
porque a bicha é camuflada.
Eles não sentem nada
mas se pega na gente, mata.

Saiba que não há cura
nem com reza forte.
a solução pra não morrer?
humano em casa, melhor não ter.

20 outubro 2011

The Mob - Máfia

You're just a baby in a dark room.
Don't you think this is blindness.
when you open your windown,
And i'll open the doors.

I have found the way,
You can find the way too,
... find the way to my kiss
but you cant
miss. (padapada pa pa)
Elza Gênia

podes crer

se não for todo,
inteiro,
não vale essa vida.

não tô podendo
encarar coisa pouca,
nem com sede.

beijar mão
de quem acena de longe
ou só bate a cabeça.

pagar essa cerveja
de ingresso
pro teu lobby.

tá caro.

tem coro?

tem só jóinha...

vocês que pedem uma reposta,
eu peço uma pergunta.

14 outubro 2011

Eu sei

Eu sei
Por toda a minha vida
Em cada despedida
Desesperadamente,
E cada verso meu
Pra te dizer que eu sei
Por toda minha vida

Eu sei que vou
A cada ausência tua eu vou
Mas cada volta tua
O que?

Eu sei
a eterna desventura
A espera de viver
Por toda a minha vida

01 outubro 2011



O fantasma do Caboclo Cachaceiro
É meu parceiro na madrugada.

O fantasma do Caboclo Cachaceiro
É meu parceiro nessa toada.

O fantasma do Caboclo Cachaceiro
É meu parceiro na madrugada.

O fantasma do Caboclo Cachaceiro
É meu parceiro nessa toada.

18 setembro 2011

Tua boca grande
Teu olho.

Tua boca no meu estomago
Tua boca boa

Tua boca chic
choca

Entrar na tua boca
molhar tua boca

Ter tua boca um pouco
Ser tua boca

Nao ver mais tua boca
Saber tua boca

13 agosto 2011

Nao vou te querer tao longe
Nem vou te querer tao perto

Porque o seu lugar certo
É perto do meu lugar.

Nao quero silencio nem delirio
Nem que me devolvas amor com afeto

Porque o seu lugar certo
É perto do meu lugar
(É perto do meu lugar)
O seu lugar certo
é perto do meu lugar

10 agosto 2011

Fulana,
com voce sou distraido
com voce,
o tempo me deixa burro.

o mentira da vida parece certa
a felicidade parece acessivel
voce me deixa jovem,
crente, olhando o horizonte

disse que me conhecia e jogou um olhar
me deixou pra sempre a pensar...
voce me abanou na sapucai
me fodeu bem mais do que pode imaginar

02 agosto 2011

Profundamente

Quando ontem adormeci
Na noite de São João
Havia alegria e rumor
Estrondos de bombas luzes de Bengala
Vozes, cantigas e risos
Ao pé das fogueiras acesas.

No meio da noite despertei
Não ouvi mais vozes nem risos
Apenas balões
Passavam, errantes

Silenciosamente
Apenas de vez em quando
O ruído de um bonde
Cortava o silêncio
Como um túnel.
Onde estavam os que há pouco
Dançavam
Cantavam
E riam
Ao pé das fogueiras acesas?

— Estavam todos dormindo
Estavam todos deitados
Dormindo
Profundamente.

*

Quando eu tinha seis anos
Não pude ver o fim da festa de São João
Porque adormeci

Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo
Minha avó
Meu avô
Totônio Rodrigues
Tomásia
Rosa
Onde estão todos eles?

— Estão todos dormindo
Estão todos deitados
Dormindo
Profundamente.


_
Manuel Bandeira

22 julho 2011

Humanos

Eles são muitos.
Pior ainda,
Eles são muitos e estão em toda parte.
Pior ainda,
São muitos, estão em toda parte e inclusive no meu caminho.
Pior ainda,
Sempre.

20 julho 2011

Não vou me privar do meu amar sozinho.
amar na mente é oque tenho com essa moça.

Onírica,
sei que guarda pra mim seu desprezo
mas não devolvorei desdem falseado.

agir por essa cartilha da conquista
me trouxe só a expectativa,
me privou de mim, me deixou numa espera morta.

podia parecer mais fraco ou ridiculo,
me censurava achando...
sem saber se perdia mais ou menos nesse jogo dela

Percebo que não deu em nada, só.
como fui mal na iniciativa, como fui mal tentando ser outra coisa,
como fui mal pra ela gostar de mim.

deveria ser mais simples.

deveria

Uma vez esqueci, só na fachada,
ressentido daquele silêncio, fazendo pose de fortão.
Ela nem percebeu.

Na outra, fingi indiferença me segurando com esforço.
Não sei se percebeu ou foi só pelo orgulho,
sei que jogou umas migalhas e me disse "depois".

eu não quis mais cobrar, durão.

eu podia ter sido mais franco e gritado
eu podia ter arrombado a porta, e ter sido acolhido ou expulso.
Podia...

Agora já nao tenho minhas negas nem as transas efemeras, nem um pote de anestesia pra dar uma pausa nisso.

Então meu amor,
faça tua dança.
Se não é o sim nem o não,
eu imagino a dor ou o gozo que eu quiser.
Eu vou ser eu,
te quero e tenho direito de querer.

Farei valer meu direito de amar sem ser amado, de ser o indesejado pidão,
de reclamar de falta, de ausência, do que ficou esquecido,
do que a gente mal começou e não continuou.
Demonstrarei fraqueza, carência, inexperiencia, medo...
Assumindo que nao à conheço, que nao à atinjo e não à toco.

Abusarei do meu direito de constranger,
De me expor no meio da galera, de gritar seu nome na madrugada, de chorar bebado, de dar vexame...

Vai ser massa !!
Ela que aproveite, ou que se foda...

14 julho 2011

SANTO FORTE (VIMEO)






SANTO FORTE (YOUTUBE)

06 julho 2011

Eu sou muito medrosa...
Cínica, covarde, sonsa, injusta.

Eu não sei fazer justiça
Não sei como faz justiça

Eu não tenho coragem de enfrentar nada...

Tenho que enfrentar a violência, a grosseria
E ir a luta pelo pão de cada dia...

Sou advogada de defesa e salva-vida
Eu não tenho coragem de enfrentar nada.


(Stela do Patrocinio)

05 julho 2011

Mesmo sabendo que ninguem vai ler,
Queria dizer uma coisa aqui que já repeti exaustivamente e nem sempre acreditam: eu não cheiro pó, farinha, cocaina. Nunca cheirei, nem experimentei.
Isso não é uma mentira e, mesmo que não fosse verdade, nesse caso, seria um aluguel inocente sem o peso da mentira.
Aproveito pra lembrar que eu sempre falo sério, até mesmo quando eu estou alugando alguem. A verdade me escapa inclusive quando à evito. Acredite, é um fardo pesado de carregar pela vida, até sinto inveja dos hipócritas de vez em quando.
Voltando ao pó, mesmo não usando, não gosto da energia dessa droga perto de mim quando tá demais... na festa que eu tô toda hora, nas pessoas queridas em excesso, no meu amor que nem sabe, heis uma treva que não me seduz... mas isso já é outra prosa..

02 julho 2011

Pra voce que tah comemorando bodas
contemplando feliz e sentindo como os laços afetivos sao solidos.
Pra voce que se afirma nos valores da familia,
multiplicar e fortalecer nossa casa nessa disputa pra ver quem eh o mais legal.

generoso.

valoroso

pra voce nao.
que esse poema eh seco,
eh feito com voce mas nao eh pra voce.

Voce achou que era porque acha
mas eu to pouco me fodendo se voce vai ler isso.

dessa bobeira quue guia tua existencia,
oque nao eh falso eh mentira

01 julho 2011

30 junho 2011

Eu diria que você é como um filme do Godart, só que dublado em alemão com legendas em chinês.

28 junho 2011

eu faco planos
ai eh que tah a merda
oque eh mesmo que eu tava pensando

22 junho 2011




caspar-david-friedrich-monk-by-the-sea-1809

Eu

improdutivo
sem platéia

ouvintes
leitores
seguidores

um nome no final
no meio da lista
que ninguem vê

é Janequine
é gonza
o pianista

Os vicios sintetizam
de quais me livro
em quais mergulho

uma lagrima me falta
fico assistindo a morte
de um mosquito na mesa

prendeu a asa, perdeu a perna
agoniza
descansa, agoniza mais

O intervalo vai aumentando.
eu começo com linhas curtas
e vou me alongando na descida

Meu primeiro verso só tinha duas letras e olha isso.
Voce bem que podia ser minha anestesia pro resto dessa bobagem.
Eu acompanhei tudo, sem muita atenção, sem dó, sem gosto,
[como uma camera de segurança.

Eu digitei lenha no google e meu blog (esse blog) apareceu na primeira pagina
Aquele mosquito agora é só sujeira, e pouca.

20 junho 2011

Eu sabia !
ninguem lê esse blog.

14 junho 2011

fala a verdade vai,
voce nao le esse blog.

D. SEBASTIÃO, REI DE PORTUGAL

Louco, sim, louco, porque quis grandeza
Qual a Sorte a não dá.
Não coube em mim minha certeza;
Por isso onde o areal está
Ficou o meu ser que houve, não o que há.
Minha loucura, outros que me a tomem
Com o que nela ia.
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?


(Fernando Pessoa)
homem = cadaver adiado.
(Fernando Pessoa)

06 junho 2011

com a fé que não me cega
ponho a mão no fogo de luva,
um ovo pra santa clara
sem esquecer o guada-chuva

Valei-me quem vale a paga



(em construcao)

02 junho 2011

3/4 123....

saca teu desprezo e segue
pra tras nao olhe
o diabo que te carregue
e ele que nao de mole

lolololo
lililili
lolololo
lililili

saca teu desprezo e segue
pra tras nao olhe
o diabo que te carregue
e ele que nao de mole

lolololo
lililili
lolololo
lililili

Nao quero dizer mais nada
Nao quero dizer mais nada
por isso que eu decidi
que eu nao vou dizer mais nada

lolololo
lililili
lolololo
lililili

saca teu desprezo e segue
pra tras nao olhe
o diabo que te carregue
e ele que nao de mole

frase pro dia das prostitutas

A diferença entre o sexo pago e o sexo grátis é que o sexo pago costuma sair mais barato.

H. L. Mencken

01 junho 2011

eu continuo sozinho
ou melhor, estou mais sozinho.
frio, de mal humor
fugindo sempre que posso.

Cada ano que passa
é cada ano que passa.
os planos se engavetam
o dinheiro nao sobra.

nao tenho mais prazer em nada
por isso nem me destruo mais
se vou melhorar, capaz

nao me deste teu amor
e o meu tá virando mágoa
me envenena a toda hora

31 maio 2011

Não chamaria de falso.
de verdade, é só raso
confio e mergulho sozinho.
bato cabeça, ninguem tem culpa.

Afeto de mesa de bar
junto na conveniência.
essa coisa que gente profunda estraga.

Deixa fluir, mais amor por favor...
não pesa pedrinho...

hahahaha

amor sem dor
amigo só de alegria
Sambinha só pra ser feliz
Só pra relaxar, sem compromisso.

Arrasa gato !!
Voce é demais !!
Não te liguei porque essa semana tá foda !!

Doeu mas foi só brincadeira,
Pode contar comigo mas depende.
Se tu for me avisa, to no cel.
Se eu não atender vai na frente.

27 maio 2011

o mal jeito espreita em todo gesto.

26 maio 2011

passa pra buscar
tua receita de quiabo ou de kebab
Eu nao preciso estar
deixa o chavão na portaria com o Itamar.

Saca teu desprezo, (saca?)
Pra trás, não olhe
O diabo que te carregue,
e ele que não dê mole.

Tira esse sorriso da minha vista
Sempre longe e sem tesão.
tua bela boca, ilusão.

Se perca de mim.
entristeça de mim.
cresça.

12 maio 2011

Eu gosto dela

Bem leonina, menina, mandona
Linda, sabe da sina, mina valentona
Fina, cheia de razão, rainha, foliona
Ela, descortina o novo, bota fim na zona
Teu olhar ilumina, abomina o cafona
Amazona e bailarina, toda bonitona. (pá)
Ela é purpurina, skinny e pakitona. (tá bem)
9 da matina, um café na poltrona. (ó)
Dona da rotina, mamãe corridona
Defina efeito sanfona, se acha esquisitona
Cafeína, Maracujina, moça respondona
Feiona em dia ruim, mas sempre bela dona
Maestrina do lar e popstar, Madona
Sou fina dança, opina, sorri e faz carona
Quer ser minha pequenina e pro mundo grandona
Meu negócio da China, caipira, brigona

Refrão: (2x)

Eu gosto tanto dela, a ponto de querer tá perto, pronto
Não tem outro jeito de me ver sorrir
É louco o efeito dela, aqui.

Grita igual buzina em dia nervosona
Santa sem batina, ganha tranquilona
Hipnotiza a retina, flash, figurona
Estrela maior do show, se precisar, machona
Fria igual neblina, alegre e fanfarrona
Brilha igual platina, prima, sabichona
Ave de rapina e musa pras telona
No ritmo, atina e lá vai corona
Ela é paz pra Palestina, fé pra Babilônia
Respeito, disciplina, boba e brincalhona
Estriquinina a TPM, vira felizona
Ela abre o circo, ela recolhe a lona
Diz que tá gelatina e malha pegadona
Vira destaque da piscina, satisfeita mona
Messalina, corajosa, do lar e chorona
Faz tudo quando quer
Eita, mulher durona

Refrão (2x).

(Emicida)

08 maio 2011

Pode me deixar sem voce
To resignado
Cada vez mais, acostumado
Nem ligo pro coxixar de gente minha

Gente minha, soh do celebrar
que nem nunca te viu
de meu, soh o piano
desafinado

mas eu soh queria dizer que ta de boa
acabei me distraindo no lirismo
mas ta tranquilo
amanha, mais ainda

07 maio 2011

Sonhei que voce estava do meu lado
Numa noite de gala
Mas nao fazia nada
Mas nem dizia nada

Voce estava lah por minha causa
Nao dizia nada
Nao fazia nada
Mas estava comigo

Voce foi embora comigo
Sem dizer nada
Sem fazer nada

Eu nao disse nada
Me levantei
e voce veio

06 maio 2011

Me perdendo na esquina
nao sou contente
Nao amo nem me alimento
Solto minhas farpas, erro a mira.

Nao quero pedras nem pena
me sinto no lugar errado
Preciso terminar antes
mas demoro pra perceber

nao vou mudar o meio
nao vou mudar os fins
So me resta recomeçar

De novo pro ovo
me protejo
regrido.

27 abril 2011

Quando eu conheco os outros
depois eu fico pensando
uma porrada de coisa
uma porrada de ideia

Eu fico meio tomado
Meio escamareado
cheiro a tristeza da tia
Na minha cama vazia vazia

Eu soh falo de mim
Eu soh falo de eu (deus)
e antes do meu sim
jah doeu teu nao, adeus...

25 abril 2011

Sonho de um terça-feira gorda

Eu estava contigo. Os nossos dominós eram negros,
e negras eram as nossas máscaras.
Íamos, por entre a turba, com solenidade,
Bem conscientes do nosso ar lúgubre
Tão constratado pelo sentimento felicidade
Que nos penetrava. Um lento, suave júbilo
Que nos penetrava... Que nos penetrava como uma espada de fogo...
Como a espada de fogo que apunhalava as santas extáticas.

E a impressão em meu sonho era que estávamos
Assim de negro, assim por fora inteiramente negro,
— Dentro de nós, ao contrário, era tudo claro e luminoso!

Era terça-feira gorda. A multidão inumerável
Burburinhava. Entre clangores de fanfarra
Passavam préstitos apoteóticos.
Eram alegorias ingênuas, ao gosto popular,em cores cruas.

Iam em cima, empoleiradas, mulheres de má vida,
De peitos enormes — Vênus para caixeiros.
Figuravam deusas — deusa disto, deusa daquilo, já tontas e seminuas.

A turba, ávida de promiscuidade,
Acotevelava-se com algazarra,
Aclamava-as com alarido.
E, aqui e ali, virgens atiravam-lhes flores.

Nós caminhávamos de mãos dadas, com solenidade,
O ar lúgubre, negro, negros...
mas dentro em nós era tudo claro e luminoso!
Nem a alegria estava ali, fora de nós.
A alegria estava em nós.
Era dentro de nós que estava a alegria,
— A profunda, a silenciosa alegria...


(M.B.)

21 abril 2011

Andamos lado a lado,
Nossos caminhos parelhos.
Mas sabe que depois, vamos.
Sabemos.
Que vais,
Que vou,
Que cada um...

Andemos lado a lado.

18 abril 2011

Infelizmente, os felizes querem sempre incomodar os nao felizes.
E olha que os nao felizes podem se divertir bastante apesar da felicidade.
Apesar disso, os felizes nao se contem, eles sao felizes.
Ainda bem que existem os infelizes para (de vez em quando) extinguir os felizes e toda sua casta. (muito felizes, saltitantes, etc...)

10 abril 2011

Ai que preguiça dessa tua preguiça.
Que chatisse quando voce enguiça.
Pra que alguem me desperdice,
Tem que caprichar na burrice.

08 abril 2011

Ultimamente, nessas ocasioes eu sinto que vou me comprometer e resolvo apagar todo o post que acabei de escrever porque afinal, eu me exponho demais....
...
Mas sera que alguem vai ler isso nesse contexto da minha paranoia?



Nessas horas eu penso depois:
Acho que o alcool tah fazendo cada vez menos efeito.

04 abril 2011

To aqui pra voce
pra voce
ver que eu
to aqui pra voce
pra voce ver
que eu to aqui pra voce.

28 março 2011

Parece que é muita areia.
tão fina branca e iluminada.
Nem que tenha que subir em primeira,
Tenho que levar porque meu chão ela que leva.

Posso fazer infinitas viagens
pra não perder nenhum silêncio.
De outra forma, pra onde ir não terei.
Voltar nunca é caminho de rei.

27 março 2011

menina

silencio

sorriso

olhar

26 março 2011

O Seu Olhar

O seu olhar lá fora
O seu olhar no céu
O seu olhar demora
O seu olhar no meu

O seu olhar seu olhar melhora
Melhora o meu

Onde a brasa mora
E devora o breu
Como a chuva molha
O que se escondeu

O seu olhar seu olhar melhora
Melhora o meu

O seu olhar agora
O seu olhar nasceu
O seu olhar me olha
O seu olhar é seu

(A.A.)

19 março 2011

Nossas baquetas
No vai quem quer repicam muito bem
E nos trombones nossas varas vao e vem
vem e vao e pra mim vem voce nenem (x2)

Nao precisa pedir
Nos vamos farrear ate o galo latir
Me abraca e vem suar no meu calor
todo mundo ta no esquema sem nenhum pudor

17 março 2011

Chegamos pra farrear
na base da marchinha, com todo calor
jorrando criatividade
na rua ou na tua praça, seja onde for

Ai carnaval
da proxima vez tanto nao tarde
Ah que saudade que dá
de voce, toda hora em toda parte

Ai cabrocha
Ai ai ai cabrocha iluminada
Ano passa, o tempo tenta,
e não te largo meu amor, por nada.
Quem é você ?
eu nem quero saber
sentindo você já sei.

Sentindo você
nem pergunto
pra que te saber ?

14 março 2011

Depois de tanta riqueza
volta pra tua vida
o mundo continua o mesmo
com toda sua escassez

12 março 2011

Ai meu deus
Que coisa boa
todo mundo lah
e voce tambem

Sem parar
e toda hora te lembro
na rua
ou solando no fundo infinito

no meu chapeu
nos teus confetes
na musica que eu to aprendendo

No meu chamego nego
Voce tem cadeira cativa
pra sempre

08 março 2011

Coisa Acesa
(Moraes Moreira e Fausto Nilo)

Atravessei os sete mares
e por todos os lugares
por onde andei
você me dava a vida
foi uma dádiva da natureza
essa coisa acesa
que hoje vejo em ti
não acredito
nem que o mundo chora
foi bonito agora
vi você sorrir

Chega nêgo, nêgo, nêgo, nêgo
nêgo, nêgo, pára
chega nêgo, nêgo, nêgo
teu chamego para mim;
tudo que me
dá sossego
é assim
chega nêgo, nêgo, nêgo
vem pra mim.

13 fevereiro 2011

Queria o cheiro do salpicao de arrabaes
Um tento de memoria prova
Nao de uma ferida saudosista
nem de que nao tenha melhor

Quero a prova justa de que vim
nao sou
mais ou menos fulgas que um peido no oeste

De que nasci de um abestalhado
e nao me declarei achado
ate o ponto em que resisto

De que nao sei de nada
e de que tudo pode
ate o limite

09 fevereiro 2011

Um dia em que te vejo
Nao e um dia comum
Me habita
Ate proximo dia
Ate o proximo dia em que te vejo.

19 janeiro 2011

As vezes me redimo
de que minha arte
nao se faz na busca da liberdade
como tantos dizem sobre suas artes.

como tantos, dizem.

As vezes me convenço
de que minha arte
se da apoiada no limites

Os limites me ajudam.

Como uma parreira que nao vai a montanha
mas dah uva.

12 janeiro 2011

Deixa sangrar
O teu rio na mata
se passar, cata
Leva na gira girar

Samba na lápide do passado
Corta encosto, corta velho
corta oque o fio cortar
e deixa sangrar

17 dezembro 2010

Nessa sexta-feria branca,
tão branca,
Pairo sobre a correria.

Saudando e louvando
o silêncio,
em silêncio.

09 dezembro 2010

Tava mais trouxa empolgado.
Tava mais falador, mais tocado.
Acendendo a fogueira, me queimando.

To meio tiozao tomando whisquinho.
To meio entediado com a natureza.
evacuando e caminhando.

08 dezembro 2010

Ai que saudades terei de voce
daqui ha algumas decadas
dessa ventania que me abate
dessa minha ignorancia...

Que saudades sentirei a beça
desse cheiro sujo de juventude
da tua cara limpa de maldade
das minhas descobertas raras

Que medo que eu sinto
de ter me atrasado

Que medo que eu sinto
de nunca mais

06 dezembro 2010

Sabe que oque vale é o egoismo né?
O meu,
Não o seu.

Oque eu fiz aquele dia contigo
fiz baseado numa coisa que eu pensei
e que eu nunca te falei. fiz só.

Você já tirou uma coisa do meu caminho porque sabia que eu nao ia gostar.
Você ja fez uma coisa longe de mim porque sabia que eu nao ia concordar.
Porque você sabia.

a gente sempre sabe...

Quando eu falo você
eu tiro de mim,
egoista que sou.

Eu falo você pra nao dizer eu
Falo você pra te tirar de mim
egoista que sou.

30 novembro 2010

Promessa

Eu queria te dar uma piteira bonita
dourada, talvez com uma pedra vermelha
ou prateada tambem, bem comprida.

Eu quero te dar um piteira bonita
Pra me deitar no seu batom
e te matar um pouquinho na fumaça.

Eu vou te dar uma piteira,
Longilínea, glamurosa,
Bonita.
O tempo me passa,
rápido,
Como um carro caro na estrada.

Me ultrapassa.
como um queijo quente em pé,
meu taxi chega na metade.

O tempo me foge,
lembro oque deixei de te dizer
escovando os dentes ao amanhecer

O tempo me atropela,
no despertador vespertino,
que afasta a solidão mas não me cura.

23 novembro 2010

O timido e a manequim

Se ela passar por mim olhando assim
Não sei se vou conseguir me controlar
Meu coração dispara feito um tamborim
Quando ela tira a minha paz
Com aquele jeito de andar

As vezes acho que ela sabe que eu existo
Mas nem por isso eu vou me declarar
Pois tenho medo de ficar
Na hora tão aflito
Inibido pela força de um olhar

Eu quis saber o que ela faz
Ouvi de dentro aquela voz dizer:
Não seja tão audaz
Ela é manequim
Já fez desfiles em Paris
Não vai ouvir conversa mole
De quem toca cavaquinho

É melhor não insistir
Para não se machucar
Este caso pode ter um triste fim

Não seja tolo, vai dar rolo
É jogo de aprendiz
Ela não é flor pro seu jardim

(Paulinho da Viola)

20 novembro 2010

Toma café eu vou,
café não costuma falar.

17 novembro 2010

Me guardo
Me seco
Me longe
Me só

Me entalo
Me travo
Me paro
Me calo
Me ensina
Me encena
Me insana
Me ensopa

Me fode
Me sacode
Me explode
Me acode

15 novembro 2010

Pela metade não serve.

12 novembro 2010

Frases de ontem e anteontem

"Se eu fosse sincero a gente não seria amigo."

"Ir embora já? mas eu nem comecei a falar oque eu penso."

08 novembro 2010

As vezes sopras...
Quase não te ouço,
Fico falando sozinho.

As vezes ventas...
Te ouço tão dura e sucinta
Que paro assustado com teus ares.

Que já semearam teus risos
Já plantaram tua imagem
Nessa minha terra torta

O arado no meu peito é doído,
Mas me fez um solo fértil,
Já podes chover na minha horta.
ninguem coxixa comigo.
Quando a gente ta carente
ninguem da bola pra gente

04 novembro 2010

Nossa amizade é sucesso

Nossa amizade é tão legal
A gente sempre se encontra quando eu te procuro.
A gente sempre comemora bebendo.

Nossa amizade é só beleza
Um teatro de circo de palhaços perfomáticos
A gente sempre guarda uma pra depois.

Nossa amizade não tem sombra
É só companheirismo e lealdade na boa fortuna.
A gente sempre paga uma saideira.

Nossa amizade é diversão
Sobram risos nas madrugadas eternas,
Nossa amizade não é da derrota.

28 outubro 2010

já me matei faz muito tempo
me matei quando o tempo era escasso
e o que havia entre o tempo e o espaço
era o de sempre
nunca mesmo o sempre passo

morrer faz bem à vista e ao baço
melhora o ritmo do pulso
e clareia a alma

morrer de vez em quando
é a única coisa que me acalma

(Leminsky)

26 outubro 2010

Lápide 1 - epitáfio para o corpo

Aqui jaz um grande poeta.
Nada deixou escrito.
Este silêncio, acredito
são suas obras completas.


(Lemisnky)

25 outubro 2010

Axé doidão.
Traz linha,
Não traz costura.
só quer rir de mim.

Você
Só quer
Rir de mim

sei que o riso é muito bom
mas andando só disso,
sempre isso,
isso não dá.


Isso
Não dá.

24 outubro 2010

"Deixa em paz meu coração,
Que ele é um pote até aqui de mágoa.
E qualquer desatenção,
faça não..."

20 outubro 2010

Rapidinha

Os fatos são tão rapidinhos
Já a análise de breves encontros é duradoura
Na falta de concreto, se vira na fantasia

Sem conhecer seus espinhos
aumento a flor que vi um dia
Fica gigante demais... ilusão.

Não sei chegar aí
Se sabes o caminho, vem logo,
toma minha atitude.

O Carlos solucionou,
Sei que ausência não é falta
Mas isso fica só na cabeça.

O Manuel alerta,
Na consciência do vazio
A razão não ajuda.

11 outubro 2010

(...)
Eu sou assim,
Assim morrerei um dia,
não levarei arrependimentos
Nem o peso da hipocrisia.

Eu sou assim,
Quem quiser gostar de mim, eu sou assim.
(...)

(wilson batista)

09 outubro 2010

assim mesmo que sempre foi.
quando a gente precisa que fica escasso.
se a gente implorar... desaparece.
tomando leva-se mais do que pedindo.

A especie eh muito evoluida
e o desrespeito continua seduzindo.
Os poetas sao louvados a distancia,
Os animais arrombam as portas e se fartam.

08 outubro 2010

Explodo
Grito sem direcao
Sem diplomacia, sem calma
sou uma fratura exposta

Vem tudo ou nao vem nada
se fosse facil era outra
eu vejo ninguem ve
eu nem vejo mais
Voce tem um Axé locão
De dar vontade
Traz linha
Não traz costura

30 setembro 2010

Bardo Mestre

Homem muito sabido
Uma figura central,
Uma estrela do alarido
do seu próprio carnaval.

Se diz o dono da bola
mesmo sem ter time.
mas toda glória suprime,
No medo e na posse se esfola.

Confortável na soberba,
a nada se rende...
Na ansia de ditar,
não aprende.

Vaidoso e inconsistente,
Atravessa bruscamente.
maestro na cabeça, do Brasil.
maestro só da puta que pariu.

23 setembro 2010

A mulher que virou homem

Meu pai me disse: meu filho tá muito cedo
Eu tenho medo que você se case tão moço
Eu me casei e veja o resultado
Eu tô atolado até o pescoço. (x2)

Minha mulher apresar de ter saúde
Foi pra Hollywood, fez uma operação
Agora veio com uma nova bossa
Uma voz grossa que nem um tufão

Quando eu pergunto: o que é isso, Joana?
Ela responde: você se engana
Eu era a Joana antes da operação
Mas de hoje em diante meu nome é João

Não se confunda nem troque meu nome
Fale comigo de homem pra homem
Fique sabendo já de uma vez
Que você me paga tudo que me fez

Agora eu ando todo encabulado
E essa mágoa é que me consome
Por onde eu passo todo mundo diz
Aquele é o marido da mulher que virou homem.

(Jackson do Pandeiro)

20 setembro 2010

Você chegou tão quentinha
Era tudo que eu precisava
Dividimos nossa missão
era tudo harmonia

To breaco
não nego
bye bye

13 setembro 2010

Talvez não seja o melhor momento,
sempre que vejo o sinal vermelho.
Indiferença,
Prefiro qualquer outra coisa.

Ja me bastei demais,
Não tenho terra minha
Talvez niguém...
Ninguém talvez...

06 setembro 2010

Você quer que eu te explique?
mesmo?

com um corte eu vivo melhor,
uma ferida melhora meu défict de atenção.

Não entendo essa doçura absoluta
Essa falta de espinhos.

Isso me deixa muito curioso
Quero ver se tens uma navalha

Não pra morrer no teu veneno
mas pra saber que você existe

03 setembro 2010

Olha aqui,
Nada de você espero
só quero que me note
no meio desse céu estrelado

vê que eu sou bonito ridiculo
que faço papelão, os pés pela mão
O rei do carnaval
e um simples folião

Pára na minha frente
Sem me dar uma brecha
e nas aéreas mudas de idéias

Não se entrega por vaidade
jamais faz caridade
não sabe nada de peso.

02 setembro 2010

Não tragas tragédia na trova,

sou craque na trave,

traído no trago

por um tris.

Não travo o tremor

dessa transa mal tratada

que não traz nada,

nem chega atrasada.

31 agosto 2010

Sede de horizonte
Sem ansiedade,
Vou segurando o tempo aqui.

Logo menos
Vou ter pausa de te ver
sem pressa, outros dias...

Agora me apresso...
Tempo de luta,
já tava na hora.

24 agosto 2010

"Faça suas orações uma vez por dia,
Depois mande a consciência junto com os lençóis pra lavanderia... pra lavanderia.."

13 agosto 2010

Antes era tudo mais tranquilo e sem registro.
depois, antigamente,
Voce se chegava com os caras que faziam musica,
Era bom conhecer os que conheciam os escritos,
Vieram os que conheciam os que conheciam os escritos
e tambem os que faziam registros de musica.
Sabia-se dos monolitos.
pula um pouco porque ninguém tem certeza mesmo.
Seguimos para aquela listagem de pintores que explicam a história
Já era preciso saber das sinfonias, concertos e errados.
Os davis e as pietas, muita tela.
As escolas, ballets
e outros batuques, os revolucionarios,
Aqui tem muita coisa já.
Um mínimo básico equivocado conhecimento do oriente.
Os poetas ou poesia,
os outros que escrevem, musica, dança, tintas...
ler o jornal.
compra o disco,
E ainda veio fotografia, cinema, o cinema francês,
contemporâneos, contemporâneos, etc..
DJs
As cenas, 60, 70, 80
Hoje você conhece rock underground ou samba de raiz,
mestre beltrano do reco-reco sagrado de Piraporinha.
é genial !
instalações,
Vivência artistica conceitual.
Descontrução de linguagens.
Contato e improvisação.
Releitura do pós.
outras coisas que nem dá pra por um nome.
e muitas mais que eu não mencionei e você vai lembrar.
e mais as que eu esqueci mesmo.
Além de todas as anteriores é claro.
E não necessariamente nessa ordem...

- Foi mal, mas eu nunca ouvi falar desse cara.

12 agosto 2010

Eu nunca mais tive pista do teu fado
E ontem sozinho e sem porque
Soube que me desejou demais
aquela moça gostosa que foi você

Porque não me disse antes
Que eu era acima da média em vários quesitos interessantes.
Hoje eu sei lá onde você tá,
Hoje eu não sei se ia encarar.

10 agosto 2010

depois que passa um onibus
ou almoçando com olhar no vazio
teu riso me vem.

caminhando no vento frio
inverno dentro e fora,
teu riso.

no silêncio de uma madrugada de dia útil
ou no meu café solitário,
me vem teu riso

Num acorde triste de um tema de São João
Num confete do carnaval ainda preso no chapéu
só teu riso

nada explica,
não resolve...
teu riso não é meu.

28 julho 2010

Eu queria estar aproveitando mais o tempo
o tempo que me resta
o tempo que podia nos restar

14 julho 2010

09 - 25, 25 - 09

Rompi contigo ontem,
Julgamentos alheios eu tenho de sobra.
Sonhei com você na madrugada,
Não sei se jogo na vaca ou na cobra.

Deixei de te amar pela tua língua,
Na tua presença a minha poesia empaca.
Você tava no meu pesadelo,
Não sei se jogo na cobra ou na vaca.

07 julho 2010

Se aperreie não,
é só fraqueza minha,
não sei muito do óbvio. claro.

Se aperreie não,
De tanto reprimir instintos
chego a não tê-los.

Se aperreie não,
sempre chega alguém mais fácil,
Cineminha com mcdonalds.

Se aperreie não,
que o leve existe.
solte uma pipa sem se empinar.

A cortiça portuguesa já era,
mas inventaram a rolha plástica.
Vinho há de haver.

Se aperreie não,
De tanto ficar no seco
Eu já nem sinto muita sede.

Se aperreie não,
Porque tá tudo cristalizado
um dia a gente faz uma jóia.

Se te aperrear com isso,
lembra que tem semente do velho Egito
que só brotou na idade média.

Nossa amizade é sucesso

Nossa amizade é tão legal
A gente sempre se encontra quando eu te procuro.
A gente sempre comemora bebendo.

Nossa amizade é só beleza
Um teatro de circo de palhaços perfomáticos
A gente sempre guarda uma pra depois.

Nossa amizade não tem sombra
É só companheirismo e lealdade na boa fortuna.
A gente sempre paga uma saideira.

Nossa amizade é diversão
Sobram risos nas madrugadas eternas,
Nossa amizade não é da derrota.

05 julho 2010

No raso eu não respiro,
Sou pedra de água funda.
Não me esgoto em papo furado,
Prefiro o miolo certinho.

24 junho 2010

Uma brisa leve numa pedra dura é uma benção.
Planta semente de fruta doce na dureza impenetrável.
Traz o novo sem querer, sem nomear, sem dó, sendo.
Não tem origem que se ache, é vinda de toda parte.
Segue o voô sem saber que pedra amoleceu, fertilizou.
Experimenta o chão nesse broto sedento.
Ela adora essa pausa.
A pedra não é só
e em silêncio, agradece.

19 junho 2010

Tem dia que é de matar
e tem dia que é de morrer.
Não tenho dia pra viver
em paz.

Tento me pacificar em vida
Mas não tenho sorte.
Só há paz na morte.
Bem resolvida é uma sepultura florida.

10 junho 2010

Pano de toureira

Quando me diz que vem
Me consumo na dúvida, expectador.
Tô perdido no teu balanço
Mas nosso encontro sabe chegar.

Te disse que não ligo pra ausência,
Que não detesto distância.
Que agonizo mais acima,
No tempo que se perde disso.

Sei que tive ontem errado,
Te olhei e vi menina
Em noite de cegueira quase plena.

Tenho hoje só cotidiano,
com você na noite em claro,
Hei de ter amanhã certeiro.
e tudo é alguma coisa.

e oque

e oque tenho pra amanhã
é uma casa vazia.
e oque sobra no fim
é sem mistério.
e oque morre depois
é esperança.
e se chegar a ser nada,
é intervalo de algo.

03 junho 2010

Eu aposto
Que você tem certeza de uma coisa
Que eu tenho certeza
Que não

Minha poesia consiste
em subdividir certas frases
em mais linhas do que o necessário,
desperdiçando papel.

diz que não.


-------------------

"Não vou gostar de quem não gosta de mim"
Isto tem um probleminha no fim.
"Só vou gostar de quem só gosta de mim"
é caso sério, bem mais sério, sério sim.

Porque daqui a pouco
Se ninguém gostar de mim
condenado eu estaria
a não gostar de ninguém mais.

é necessário nesse mundo dar um tempo,
até sem tempo pra poder gostar de alguém.
é necessário nesse plano ter um tempo,
pra gostar de quem não gosta de ninguém.

28 maio 2010

Se eu quiser beber eu fumo,
Se eu quiser fumar eu bebo.

22 maio 2010

Te vi lá

Hoje,
graças à Deus e ao Nelson do Cavaquinho
tava seguindo no meu caminho,
casa florida encontrei,

Projetei
Tão belas flores em carne e osso
Chorando a missa derradeira,
meu último compromisso.

Entre disfarces de abraços solidários
Se equilibrando nas etiquetas,
Tão bem descabeladas no irreverssível
Disputavam as alças na unha.

No canto, um olhar no vazio,
encolhida abraçava os joelhos
de moletom preto e lágrimas.
Te vi, mais linda, pior.

Atropelada, porrada da minha falta,
bem longe de se livrar de nós,
Em meu sonho que é sabido,
Você sempre enfeita o meu fim.

17 maio 2010

Uma noite sempre passa
passa em claro
com imagens de gestos

As minhas passam longamente.
Acompanhado da tua ausência
Tranformo isso, no silêncio.

As vezes me toco,
vibro
com os gênios.

As vezes te escrevo
Uma coisa que se insere
Na escola artística da minha geração

Um noite sempre passa
até pelo vão da porta
porta frio

As vezes me anestesio
E o relógio anda
não crio

Rio da sua descolada
E penso que eu devia meter o pé
Fica aquele suspiro

Um noite sempre passa
depois

11 maio 2010

Que querer eu quero?

Que ainda não,
é claro.
mas hei de te fazer
bem demais.
Tenho tempo pra todo muito
bastante pra colher fruta madura

Não disputo com piá
A manga do começo do verão
A deliciosa vai cair
Na semana que vens,
no meu colo,
nas minhas cabeças.

Que querer eu quero?
Não te digo mesmo sem saber,
Só faço a mínima idéia
de que é bom de tá perto
e ainda melhor de tá junto
e principalmente dentro.

Não deixo pra platéia
nem metade do meu olhar
nem trecho do teu riso que não é só
minha benção de Oxalá
Teu descolo.
Meu sucesso.

Me deixas tão jovem
quando me abana na Sapucaí
rindo...
e vai indo...

Pode tirar chapéu pra mim,
Mas deixa eu abrir a porta.
E quando entrar, repara.
Porque é verdade.
Eu sou demais
E sou bem vindo.

06 maio 2010

A maioria dos tempos é de dor
sempre a cicatriz a vista
a falta é mato.
a fartura é que é raridade

O atrito é constante no universo
a vida se faz nisso
A pausa não existe
Foi idealizada, é utopia

O tempo que te espero só
não é espera, é perda.
A paz nunca veio,
Só a luta se registra.

A conquista é instantanêa.
Ainda que demore séculos pra ser alcançada,
Dura o tempo de um peido
sempre sucedida de algo menor e menor.

No meu rancho lá na serra,
Nosso momento mais sublime
virou esquecimento, até duvidam.
Hoje é só um causo na minha memória.

Na minha cabana na Bahia
Nosso cheiro se perdeu.
Foi tão fogoso, tão cigano
Mas ninguém fotografou.

Aquele dia eu te disse,
Com alma aberta, como nunca
Mas você não ouviu
Ou ouviu mas esqueceu.

05 maio 2010

Existe muita coisa pior do que eu
Existe muita coisa
Até melhor
Eu não existo.

01 maio 2010

50 centavos

Na primeira vez que eu te vi
Eu não sabia oque fazer.
Te ofereci uma itaipava
Mas o cara não fez duas por cinco.

A solução foi dividir
E você não achou romântico
A noite tava tão quente
A cerveja estava também

Num momento de tristeza
Me faltou destreza
Na tua frente engasguei
E a cerveja, morninha, babei.

Já não tinha mais conserto
Nem dava pra piorar
A vergonha de estar por perto
Pairava no seu olhar

Era o nosso primeiro lance
E eu não fui atento
O tempo não volta jamais
arrependido, não vivo em paz.

Você foi dançar forró com o Ataliba
No cantinho eu resmunguei:
"só me faltaram 50 centavos,
Matemática eu estudei."

28 abril 2010

Quem tanto não me conhece,
Playboy perdeu.
Vocês é fulano de tal
e eu não sou normal.

Não venham tentar me iludir.
Com o brilho dessa vaselina.
Sabonetes grandes e pequenos
Desfilam na noite estrelada.

Tem panelinha que põe pressão
Vendendo o meio do olho e os discos.
Todo mundo já manjou os malditos
Esse mundinho sempre soube dissos.

Um critério pra cada freguês
Não fui hippie nem sou nagô.
Eu sou vip, não tô com vocês
Sou da faxina que nunca chegou.

O messias que nunca veio
Já morreu na sarjeta outra vez.
Aquele protesto, a gente não foi
E o dinheiro já nem me dá oi.

27 abril 2010

Aviso aos Juniores

Você que sentou pra me ouvir,
É bom já ficar avisado.
Que eu só sou filho da minha mãe.
E não nasci em disco de ouro.

Eu não sou filho da Elis Regina.
E minha mãe não deu pro Jair.
Mas antes de dar na tua cara
Vou te dar a chance de sair.

Enfia o release entre as pernas
E choraminga que eu sou um animal
Pede um protools de natal.
E vá gravar outro disco boçal.

Eu não ganhei festival do papai.
Eu não sou filho daquele vinil
E você que tão cedo já sai,
Vá pra produça que lhe pariu.

25 abril 2010

Você nunca aprende oque me ensina.

22 abril 2010

Um Bodegueiro Na Fiec

Composição: Falcão/Tarcísio Matos

Você não faria a menor falta
Num dia de domingo no Beach Park
Eu não te levaria nem morta
A passear comigo no Iguatemi
Eu não me atreveria a passar vexame
Perante os meus amigos lá da Aldeota
Pois agora eu tenho o maior respaldo
Nas altas paneladas da alta sociedade

Eu sei que a burguesia fede
Mas tem dinheiro pra comprar perfume
E além do mais o high society
Leva chifre e não tem ciúme
Eu sou "in", não sou "out" - eu sou VIP

Agora com você eu não quero nem ovo
Eu sei que o meu passado agora me condena
A sua presença só me prejudica
Suja a minha glória, borra a minha fama
Pois hoje eu sou pessoa muito benquista
Com muita influência no meio das rodas
Até já fui chamado pra dar palpite
Na vida sexual da Primeira Dama

19 abril 2010

Um coração de mulher
Se esmaga com respeito
pisando descalço e devagar.
não se fere sem soprar.

É uma forlateza de areia fina.
Nem dinamites nem marretas,
Pra destruir, use a brisa
naquela cena bela, triste...

Mora sempre na véspera do sangramento
Que já batizou de sina,
Mas exige do algoz a reverência.

Não pode com tanta grosseria
Com esse tempo de ninguém com tempo,
Esse atropelo impessoal, gelado.

07 abril 2010

Me perdi

Me perdi,
tô em nova friburgo...
Que que eu faço?

Vou de trem,
de metro, avião...
Que embarasso

Me perdi,
Sei se volto se vou ou se fico...
Que que eu quero?

Vou tomar uma pinga
onde a dor choraminga
e cantar um bom bolero.

(Pedro Gonza e Carlos Zimbher)

06 abril 2010

Inspirado na professora do Charlie Brown

blablablabla
- sim
blablablablablabla
- legal
blablablablablablablabla
- interessante
blablablablablablablablablabla ?
- ...
Bla ?
- ...
"Você foi a mentira que deixou saudades,
Todo boato tem um fundo de verdade."

05 abril 2010

Me bocejo no seu desdem.
fósforo sem atritos.
Já não aguento esse gasto.
Uma agonia que não tem nada de concreto.

Já nem conheço mais a pista.
Aquele sorriso ou o olho ?
A espinha exposta que não foi,
nem os ossos.

Ao pensar na tua primeira indagação
Naquele breve encontro que não encontrei.
Naquele beijo que acho que ia.

Vejo que o demônio espreita
no não realizado,
no que distrai da vida.

E te acho tão covarde quanto eu...
menino...
medroso...

27 março 2010

A Banca Do Distinto - Billy Blanco

Não fala com pobre, não dá mão a preto
Não carrega embrulho
Pra que tanta pose, doutor
Pra que esse orgulho
A bruxa que é cega esbarra na gente
E a vida estanca
O enfarte lhe pega, doutor
E acaba essa banca
A vaidade é assim, põe o bobo no alto
E retira a escada
Mas fica por perto esperando sentada
Mais cedo ou mais tarde ele acaba no chão
Mais alto o coqueiro, maior é o tombo do coco afinal
Todo mundo é igual quando a vida termina
Com terra em cima e na horizontal.

25 março 2010

"a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida"

24 março 2010

Black is the color of my true love's hair
His face so soft and wondrous fair
The purest eyes
and the strongest hands
I love the ground on where he stands
I love the ground on where he stands

Black is the color of my true love's hair
Of my true love's hair
Of my true love's hair

Oh I love my lover
and well he knows
yes, I love the ground on where he goes
And still I hope
that the time will come
when he and I will be as one
when he and I will be as one

So black is the color of my true love's hair
Black is the color of my true love's hair
Black is the color of my true love's hair

22 março 2010

Faltas,
Depois de um turbilhão ainda penso.
Fuga nas datas,
nos cedos da vida.

Faça,
Tua dança de me abanar.

Faca na fruta,
me prega uma peça.
sem pressa,
mas sem objetivo.

Sou menina tímida.
Não posso te me oferecer,
ou que me te ofereça.
Prefiro que uses teu dom, juan.

Ô purinha que me envenena,
saiba que sangro muito sem deixar.

Faltas,
Depois do turbilhão ainda penso.
E o barulho não me distrai disso,
Faltas.

17 março 2010




Lembrar de uma teta.


Sonhar com leite


lembrar de uma bunda.
Meu tempo desgosta da competição
Quer sentir toda a bela pausa
Ver teu rebolado de longe
Acomodado nos teus fartos seios

te respeita demais.
me aproxima mas não chega
quer uma certeza pra agir
isso não existe aqui.

é exposto, sem coragem
se perde na comunicação
te assusta na linguagem

Não quer jogar
Se justifica, ridículo
Foge do risco.
passas em exposição.
passas sem ver teu vigia
catando a poesia que entornas no chão.

12 março 2010

Glaucoma

Notícias indigestas povoam a manhã.
Tem gente morrendo a toa.
Tem gente nascendo demais.

O luxo que tava aqui antes de nós
nunca foi suficiente pro nosso egoísmo
Agora, nem dividindo.

Competir é a religião em prática.
e como somos fiéis.
Todos nós tomamos boladas
de peladas alheias.

mas produzimos também
pedradas perdidas.
dito, não dito.
redito no ouvido não edito.

Não me defenda.
como? te cuida.
desculpa? as vezes me ataco
no meio do racha dos outros.

E na minha guerra interna,
mato uma barata que não sabe de nada.

11 março 2010

eu te sirvo

acordo o sonho repicado de ruidos
pressentimento demora pra confirmar.
Gotas salgadas
descendo pelo cangote.

Ânsia da tua intimidade
continuado vinculo assustador
abrimos no meio da dança
de Shiva. imensa.

que problema.
que demais !
sem desculpa,
sem porque.

pede a saideira
não sai.
me despe da cabeça
me despe da fantasia.

interroga, não responde
me azucrina
me tortura
não permita minha réplica.

fala manso sem palavras.
Arranca meus álibis.
me exige direto,
eu te sirvo.

10 março 2010

Ausência

Por muito tempo achei
que a ausência era falta.
E lastimava, ignorante a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a branca, tão pegada,
aconchegada nos meus braços
que rio e danço e invento
exclamações alegres
porque a ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

(Carlos Drummond de Andrade)

08 março 2010

Av. Dr. Arnaldo 666

D7/F#// G7// Gm6/Bb
Quando eu Voltar dessa jornada

A7 /// D7/F# A7 D7/F#//
E nem o samba puder me consolar, Laia Laia

E7/G# F#7
Dessa (nossa) história malfadada

E7 A7 D //
Não quero ter que me lembrar.




F# // Bm //
Eu não vou ficar dismilinguido,

E Dº D F#
Celebrarei o fim da nossa química,

G F# Bm //
Você já estará me esperando

G F# Bm
Bem em frente ao hospital das clínica.



G A D //
O endereço é bem arborizado

Dº E7/G# F# Bm7 //
E a viiiiizinhaaança não vai reclamar.

G F# Bm //
O veneno que você traz guardado

G F# Bm //
Não terá destino à destilar.



C#7 F#7 Bm7 //
Essa linda e perpétua morada

C#7 F#7 Bm7 //
Tua residência pra sempre será.

C#7 F#7 Bm7 //
Serei feliz ao te ver sepultada

C#7 F#7 Bm7 //
Lá no cemitério do Araça.


(Pedro Gonza/ Zimbher Carlos)

---- praticamente pronta -----------

VIII

Se Clódia desprezou Catulo
E teve Rufus, Quintius, Gelius
Inacius e Ravidus

Tu podes muito bem, Dionísio,
Ter mais cinco mulheres
E desprezar Ariana
Que é centelha e âncora

E refrescar tuas noites
Com teus amores breves.
Ariana e Catulo, luxuriantes

Pretendem eternidade, e a coisa breve
A alma dos poetas não inflama.
Nem é justo, Dionísio, pedires ao poeta

Que seja sempre terra o que é celeste
E que terrestre não seja o que é só terra.

(Hilda Hilst)

Põe

Põe um baixo tranquilo
entrando calmo de travesseiro
tua voz sorrindo mais ou menos
no lugar certo de seduzir

Põe um surdo na ponta do pé
e chuta
teu berro num rock incomodando
Ferro na testa da madrugada

Se afina logo
Tranca a porta por dentro
tamborim piscando na minha insônia

De couro quente
Gira tua saia
Me põe na roda.

07 março 2010

Eu vou me inventando
Vou me variando
no seu cardápio

vou pouco
andando

06 março 2010

só tem uma coisa que eu te digo.
você se dá bem comigo.
vssssse dá bem comigo.

03 março 2010

Nesse carnaval.
Abri o peito de amor.
Pra leito de desconhecido.
pra poder virar cantor.

Exposto à tua luz
Fiz meus jogos infantis
Mostrei demais que te quis
E você nunca fez jus.

Aquele instante medroso
Foi susto
ainda arde

Não tem mais volta
Foi injusto
Foi covarde

(Pedro)

26 fevereiro 2010

Aí que você tá longe.
à mais de um quase.

e ainda esqueceram,

há mais de metade de mim
se você ficar com sede.

25 fevereiro 2010

Pressentimento
(Elton Mendeiros/Hermínio Bello de Carvalho)

Ai ardido peito
Quem irá entender o seu segredo
Quem irá pousar em teu destino
E depois morrer de teu amor
Ai mas quem virá
Me pergunto a toda hora
E a resposta é o silêncio
Que atravessa a madrugada
Vem meu novo amor
Vou deixar a casa aberta
Já escuto os teus passos
Procurando o meu abrigo
Vem que o sol raiou
Os jardins estão florindo
Tudo faz pressentimento
Que este é o tempo ansiado
De se ter felicidade

http://www.youtube.com/watch?v=SLglXm6vjzQ

10 dezembro 2009

Honlaini

Cada coisa estranha que chega pra mim pelo cabo de rede ou, mais recentemente, pelo wi-fi....
Até Karma a gente arruma na internet hoje em dia.
Bastante entulho concreto que a gente pega nesse meio virtual.
Sou para-raio de maluco até aqui.
"Muita Karma meu filho, muita Karma."

09 dezembro 2009

Certeza

A vida não é busca de prazer.
Em São Paulo.
Vergonha alheia de gente famosa.
Faltou de tudo.
Até que a banda fez força mas....
Faltou muito.
Desculpa Michael, eu só tava de peão.
Não sou responsável.

30 novembro 2009

Voltando pro meu concreto

Sensacional esse último dia.
Cozinhei pros amigos baianos abafando com os meus dotes culinários.
Mostrei minhas belas raizes e talentos seculares.
Praia, sol, mar e cerveja.
A noite um encontro pra lá de delicioso com um casal mais do que querido.
Até minha renite percebeu que a volta à São Paulo está próxima e resolveu se manisfestar.
Amanhã finalizo essa jornada que apesar de bastante intensa foi apenas o primeiro de muitos passos no rumo da fé.
Salvador é foda.
E é pá porra !!

27 novembro 2009

Pensamento Pollyana

Como me levaram a camera no primeiro dia, só perdi uma foto.
:)
Rompendo com o horário da roça hoje.
Acordei as 11, depois as 14 e depois as 16...
Me preparando pra dezembro.
Hoje vou ver um samba de raiz vai começar tarde (22:00).
A roda inclui dois filhos do lendário Batatinha.
Devo chegar em casa depois da meia-noite... um abuso.
Mais cedo, comi um pão com ovo e estou de pouco tóxico.
Nada de coca-cola e depois de um resguardo religioso,
parei de fumar de novo.
Espero que Sampa ainda exista na semana que vem.
Tô com saudades de vocês...
Não todos os meus milhares de leitores,
mas os que interessam.
Ahhh !
Estou rosa.
E Vai Flamengo !!!
Saudações
Quanto mais você consome o mundo
Mais o mundo te consome.
Comer, beber, fumar, etc...
Pra sempre vontade.
Pra sempre a busca da próxima dose.
Já basta dessa correria
Basta de errar a mira...
Nesse tiroteio maluco,
a gente acaba matando o bicho errado.

26 novembro 2009

Agora é um banho cheiroso ou dois chegando em S. Paulo.
Depois é seguir o caminho sem ansiedade e nem moleza.
O horário da roça continua...
Quando eu morava em caraíva na baixa era assim também.
Será que minha boemia é só um escape da paranóia do horário comercial em São Paulo?
sei lá.
"Bás noite Seu Assis.... com Deus..."

25 novembro 2009

Quarta-feira é dia do Rei.
Aquele do machado.
Saudei-o no melhor lugar possível.
Desconfio que seja sua morada preferida por essas bandas.
Repeti os movimentos de outros súditos com grande alegria.
Quase me senti contentemente adequado.
Beijei a mão da rainha encarnada
e recebi minha benção.
Já foi coroada e senta no trono
Mas a majestade seria clara sem nenhum paramento.
Basta pisar alí pra desligar os sons das dúvidas.
Não me lembro do que pensei, provavelmente nada.
Mas senti um tanto.
Um tanto bom.
Um tanto claro.
Um tanto forte.

24 novembro 2009

Estou vivendo no horário da roça.
Tem coisas que só na Bahia mesmo.

23 novembro 2009

No final o pombo seria sangrado sobre minha cabeça?
Fiquei jogando fora, sussurando pertinho pra ele levar meu excesso de bagagem, fiz até algum afago com os dedos... ele transmitia uma paz invejável. Acho que ele tava mais por dentro dos babados do que eu.
Não que eu tenha pudores com os sacrificios da liturgia, os vegetais também são sacrificados, o nosso tempo é sacrificado a cada respirar, o amor é sacrificado em cada beijo e por aí vão os sacrificios do mundo...
Mas na hora que eu ouvi o Zé Nilton mandando eu soltar o bicho tudo fez muito mais sentido:
- Vai menino ! Joga pra cima !
E foi. Voando na mata.
Sacrificando muitas dúvidas.

21 novembro 2009

Dia da consciência

Vivi minha jaula hoje.
Meu cordão de isolamento.
Tentei participar mas não foi possível.
Todo tempo e energia foram gastos na vigília dos meus bolsos vazios de dinheiro.
A toda hora tinha alguém metendo a mão ou então um daqueles vários esbarrões maliciosos.
Uma senhora de uns setenta anos quase me levou esse caderno, tentou três vezes até que a empurrei sem muita força... de qualquer forma, não lhe serviria de nada.
No balanço, não me levaram nada além do gozo que não tive, da festa que não vi e da música que não dancei.
Talvez tenha sido muita audácia querer participar do dia da consciência negra junto com os negros mas a porrada da verdade ainda está me doendo.
Único branco até onde minha vista alcançava naquela multidão negra, senti a escrevidão na pele... Quando as grades são invisíveis é quase impossível arrebentar os cadeados.
Tentei enxergar até onde ia minha isenção mas acho que minha miopia não permitiu.
Lá pelas tantas, desisti, peguei um taxi e voltei pra senzala dos gringos, essa sim bem definida com grades e policias.
Não julgo os motivos e nem estou procurando culpados, eu já deveria saber que aquela rua não era minha e os camarotes muito menos.
“Adequado” é um adjetivo que nunca me serviu.

20 novembro 2009

Vi um sujeito aqui hoje que toca PACARALHO.
É um tal de "mão de ferro", percussionista completo.
Filho de Oxaguiã e aceleradíssimo.
Valeu o dia, outras cositas valeram também.
E acreditem, eu comi um puta filé mal passado hoje no pelourinho... não sabia que aqui rolava isso.
Quando o baiano quer falar que "fulano tá se achando", ele diz: "Fulano tá se sentindo."
Paulista se acha mas baiano se sente.

18 novembro 2009

Hoje também teve praia e cerveja em Itapuã e carne seca com pirão de aipim pertinho da Igreja do Carmo.
O botequim Cruz do Paschoal é sensacional !(indicação do Mutá)
O Mutá também é sensacional; coincidência não existe.
Quando cheguei eu tava naquele estado entre a ressaca e a fome.
Durante o tempo que estive lá uma sensação de plenitude, esqueci da fome, esqueci até de coisa mais concreta.
Obviamente, não é qualquer estrangeiro que vai chegando e tendo audiência com a Rainha. Logo me avisaram secamente: " - Só em janeiro você marca jogo... sem chance."
Teimoso que sou, continuei esperando oque já tinha sido um não, logo depois ela passou na salinha procurando alguém, dando uma bronca numa filha de santo, uma nobreza arrebatadora, já tinha valido a viagem. Aquela energia silenciou minha ansiedade. Fiquei numa de pensar um monte de coisas ao mesmo tempo mas sem conflito, num ritmo de João Gilberto.
Nem me viu, só passou... e rápido. Era enorme...
Teimoso que sou continuei esperando na salinha (esperando oque?).
Uma escudeira me abordou e me levou pra conhecer todas as casas, a de Oxalá era enorme. Me mostrou o Ilê inteiro, estava saudando todas as casas na sua obrigação diária, linda, jovem e Axézenta pacaralho. No final, acho que gostou de mim, me convidou pro Padê quarta que vem. Uma nova chance....
Quando saí de lá, a fome as dúvidas voltaram.
Nosso caminho, só a gente mesmo pode caminhar.

16 novembro 2009

Eu não ando só.
Só ando bem acompanhado.

Na baixa do sapateiro encontrei um dia.....

DELTUR - Delegacia de proteção ao turista

Parte I - COMUNICANTE

TIPO DE ENVOLVIMENTO: VITIMA NOME: PEDRO GONÇALVES JANEQUINE; CUTIS: LEUCODERMA (BRANCA)SEXO: MASCULINO DATA DE NASCIMENTO:12/09/1979 NACIONALIDADE: BRASILEIRA; RELIGIÃO: CANDOMBLÉ Nº da INDENTIDADE:29.xxxxxxxxxx ; etc....

Parte II - FATO

DATA: 15/11/2009 HORA: 12:00 LOCAL: RUA DA INDEPENDÊNCIA PRÓXIMO AO CORPO DE BOMBEIROS BAIRRO: BAIXA DOS SAPATEIROS (1ª CIRCUNSCRIÇÂO)

Informa o comunicante que foi surpreendido por três individuos, sendo um de cor parda e os outros de cor negra e que após entrarem em luta corporal, subtrairam sua bolsa de couro de cor marrom que estava a tira colo, contendo os seguintes itens: uma camera fotográfica digital da marca canon; um cartão de débito do banco bradesco; um chaveiro contendo cerca de dez chaves; dois cadernos de anotações; um saco de pano com objetos de higiene pessoal. Diz ter solicitado apoio de uma guarnição da polícia militar que efetuou diligências sem êxito. Fato levado ao conhecimento da autoridade plantonista.

---------------------------------------------------

não se preocupem, está tudo MUUUUITO bem. Só queria registrar que houve luta corporal.
Beijos

12 janeiro 2009

lua cheia
peito vazio

dinheiro....

08 janeiro 2009

Andava
constipada vagarosa
da minha emoção alheia por completo,
minha opaca imagem era só cabisbaixesa

Uma idéia,
fogo.
nada de transparecer
naquela imagem que era só gripe

um interesse mais solar
de uma comida nova,
invisível.

um cara tonto falador
lesado de febre...
não se via a mente desperta que eu experimentava.

19 novembro 2008

Minha gata




Com minha gata
a relação mais franca.
Eu dou oque ela quer de mim
as vezes ela me dá oque ela quiser.

30 setembro 2008


Porque não morre o Maluf?

18 setembro 2008

ei !
aquilo não era uma par de olhos, era um olhar....
se liga !

03 junho 2008

Who do you love?




I walked 47 miles of barbed wire, I use a cobra snake for a necktie
I got a brand new house on the roadside, made from rattlesnake hide
I got a brand new chimney made on top, made out of a human skull
Now come on, take a little walk with me, Arlene and tell me who do you love?

Who do you love?
Who do you love?
Who do you love?
Who do you love?

I've got a tombstone hand and a graveyard mind, I'm just twenty-two and I don't mind dyin'
Who do you love? (x4)

I rode around the town'n use a rattlesnake whip, take it easy Arlene don't give me no lip.
Who do you love? (x4)

The night was dark and the sky was blue, down the alley a house wagon flew
Hit a bump and somebody screamed, you should'a heard just what I seen.
Who do you love? (x4)

Arlene took me by my hand, she said, "Ooo-eee Bo, I understand"
Who do you love? (x4)

(Bo Diddley)

09 maio 2008

Tô sentado na sarjeta
Com meus súditos a gargalhar
carro importado, blindado, tunado..
vejo um tanto de miséria no desfile.

Prefiro a voz de uma negra gorda.

Saí do palácio a pé pra fazer a feira
Alho, limão, pimenta, parmiggiano, etc...
Vi um brinquedo bonito, luminoso
aceitavam parcelamento.

É melhor, maior e mais barato.

Sou chocolate belga,
macaxeira na fogueira.
Já fui estrangeiro ilustre
até em casamento de índio.

- Licença...

Paulistano chocado.
Português de quinta.
Italiano aristocrata.
Baiano de pouco suor.

Quatrocentão mesquinho, jamais.

Sou de honra obsoleta
De que vale? vale quanto?
naõ vale nada
mas não tem preço.

Quer comprar?

08 maio 2008

caraiva

Faz-se presente na memória,
de sossego, inevitável lembrança.
Os burocratas escrevem a história
sonhando com seus dias de bonanza.

25 março 2008

O meu chiclete faz ploque,
O seu chiclete faz bum.

16 janeiro 2008



(...) Sou galo no meu terreiro.
Nos outros, abaixo a crista. (...)

10 janeiro 2008

Meus amigos de chão
firmam meus passos.

Meus amigos de vento
Riso leve.

Meus amigos de fogo
menos fraternos.

Meus amigos de água
longa terapia.

30 novembro 2007

Sob Medida

Se você crê em Deus
Erga as mãos para os céus
E agradeça
Quando me cobiçou
Sem querer acertou
Na cabeça
Eu sou sua alma gêmea
Sou sua fêmea
Seu par, sua irmã
Eu sou seu incesto
Sou igual a você
eu nasci pra você
Eu não presto
eu não presto

Traiçoeira e vulgar
Sou sem nome e sem lar
Sou aquela
Eu sou filha da rua
Eu sou cria da sua
Costela
Sou bandida
Sou solta na vida
E sob medida
Pros carinhos seus
Meu amigo
Se ajeite comigo
E dê graças a Deus

Se você crê em Deus
Encaminhe pros céus
Uma prece
E agradeça ao Senhor
Você tem o amor
Que merece

(Chico Buarque)

09 novembro 2007



TERESA


A primeira vez que vi Teresa
Achei que ela tinha pernas estúpidas
Achei também que a cara parecia uma perna


Quando vi Teresa de novo
Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo
(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que o resto do corpo nascesse)


Da terceira vez não vi mais nada
Os céus se misturaram com a terra
E o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas.

(Manuel Bandeira)

06 novembro 2007

Teria você reparado?
na intolerância do teu ouvido

Teria reparado
no teu receio.

Naquele gol urgente,
No meu abraço solitário.

Teria reparado
no que é merecido?

ou teria reparado
Nesse que não te espera.

E te quer moldada
sem saber quem és.

Teria você reparado?

no cristal quebrado
desse nosso fado.

Naquele cadeado
que fechava antes do motor ligado.

fechava...

20 outubro 2007

Coroné Antonio Bento

Coroné Antonio Bento
No dia do casamento
Da sua filha Juliana,
Ele não quis sanfoneiro
Foi pro Rio de Janeiro
Convidou Bené Nunes pra tocar.
O lê, rê, ô lá rá
Nesse dia bodocó
Faltou pouco pra virar.

E todo mundo que mora por ali
Nesse dia não pode arresistir
Quando ouvia o toque do piano
Rebolava, saia requebrando
Até Zé Macacheira que era o noivo
Dançou a noite inteira sem parar.
Que é costume de todos que se casam
Ficar doido pra festa se acabar.

( Luiz Wanderley / João do Vale )

09 outubro 2007

difícil

Você se diz enorme...
lenda te enxergar.

Aéreo. não volta.
Incorpora teus delírios.

auto-elogio.
que vantagem ?

Esse rei aí, aquela diva também,
na europa, nos EUA....

"Já veio aqui em casa, trabalhou pra mim..."

Vai pra lá, vai pra cá.
Não sai mais do lugar.

Diz que tá construindo um palácio dourado.

Não caberá dentro dele...
Não cabe mais dentro disso.

02 outubro 2007

Soube de você,
Não vi nem senti, mas soube.
bem depois de tudo aquilo,
ontem, um desses...

que tava tudo bem
contaram.
mas eu de vida velha,
guardei a língua.

depois daquela noite,
sozinho até minha casa.
acendi um cigarro.

Ele sozinho nesses tempos,
Logo apaguei.
você nem sabe.

05 setembro 2007

coisa de índio

Grana,
Talento

Grana
tá lento.

cascalho demorô.

28 agosto 2007

teu aperreio

Teu coração aperreado
não sabe de onde vem o vazio.
Compras teus brinquedos,
não tem descanso da agonia.

Teus sonhos realizados
e desejos atendidos
só te falam que tu podes
ou que alívio não existe.

O que tá dentro
testemunha tua existência
mas não te conhece.

A paz que te falta
não virá de fora.
certeza só terás do fim.

24 agosto 2007

Tô na madrugada
de ontem.
Tô na caminhada

Ninhada de sonhos
carregando o carnaval.

Sinto os climas da folia,
do verão.
Vou ficando pra titia.

Vejos os batuques
até a meia-noite

E essa poesia que me cala?
vou ouvindo.
ouço nada do teu cheiro.

nem pensei nessa dor,
tem coisa que é maior.

20 agosto 2007

Tenho feito um grande esforço pra pensar menos.... cedo, tento sonambular até o piano e despertar já sentado no banquinho... isso evita pensamentos derrotistas.
As vezes eu acordo e penso em como vou sobreviver, ganhar dinheiro, independência, etc... só que daí eu acho o monstro muito grande, me dá uma profunda preguiça, eu encarno a inconsequência e desisto. Quando eu não penso, eu faço. Um dia, fazendo sem pensar eu acabo ficando adulto no mundo capitalista. Pensar com o vislumbre de como anda o planeta é desanimador, desesperador e me dá essa culpa de me achar covarde. Tem uma cabeça que me ajuda, é privilegiada e é oque me faz ter tudo que tenho, inclusive você. Tem uma outra que é minha inimiga, me pára. Se eu mato ela, viro bicho, se eu não mato, fico prisioneiro... Fujo, sem pensar. Só assim consigo agir.

08 agosto 2007

Comunidade

Somos cinco amigos; uma vez saímos um atrás do
outro de uma casa; primeiro veio um e pôs-se
junto à entrada, depois veio, ou melhor dito,
deslizou-se tão ligeiramente como se desliza uma
bolinha de mercúrio, o segundo e se pôs não
distante do primeiro, depois o terceiro, depois o
quarto, depois o quinto. Finalmente, estávamos
todos de pé, em uma linha. A gente fixou-se em
nós e assinalando-nos, dizia: os cinco acabam de
sair dessa casa. A partir dessa época vivemos
juntos, e teríamos uma existência pacífica se um
sexto não viesse sempre intrometer-se. Não nos
faz nada, mas nos incomoda, o que já é bastante;
porque se introduz por fôrça ali onde não é
querido? Não o conhecemos e não queremos
aceitá-lo. Nós cinco tampouco nos conhecíamos
antes e, se quer, tampouco nos conhecemos agora,
mas aquilo que entre nós cinco é possível e
tolerado, não é nem possível nem tolerado com
respeito àquele sexto.
Além do mais somos cinco e não queremos ser seis.
E que sentido, sobretudo, pode ter esta
convivência permanente, se entre nós cinco
tampouco tem sentido, mas nós estamos já juntos e
continuamos juntos, mas não queremos uma nova
união, exatamente em razão de nossas
experiências. Mas, como ensinar tudo isto ao
sexto, posto que longas explicações implicariam
já em uma aceitação de nosso círculo? É
preferível não explicar nada e não o aceitar. Por
muito que franza os lábios, afastamo-lo,
empurrando-o com o cotovelo, mas por mais que o
façamos, volta outra vez.

(Franz Kafka)

03 agosto 2007

Se eu não fosse pedra
menos poesia
menos densidade
Talvez leve, falador

Não tão maciço
Afundaria menos
Choraria molhado
talvez você me carregasse.

02 agosto 2007

Herido de sombras

Por tu auscencia estoy

Solo la penumbra

me acompana hoy

Perdido tu amor no podre

disfrutar de felicidad



Sin destino fijo,

como el humo voy

surcando el espacio

buscandote estoy

Tal vez no encuentre

Quiza te perdi

Para siempre, amor



Recordare

Tu mirar, tu sentir

No lo puedo evitar

Y sufrire

Anorando el ayer

No te puedo olvidar



Herido de sombras

Por tu auscencia estoy

Solo la penumbra

Me acompana hoy

Perdido tu amor

no podre ser feliz

Jamas


(Rolando Vergara)

30 julho 2007

De Puro Guapos é tango de primeira.
Coisa fina.
http://www.depuroguapos.com.br/

29 julho 2007

parte 1

Quando me achou tava livre
Não te quis
Casei com uma rainha.
Você, com meu escudeiro.

Depois, nos seduzimos na calçada
por um triz
negamos a existência daquilo
mas não foi tão passageiro.

Por anos divimos os ombros
um chamariz
A vezes no fim da noite
aquele beijo matreiro

27 julho 2007

Tem dias que eu queria ser quase eu,
mas sem antecedentes.
Desconhecido aos olhos dos mais próximos,
Faria amigos parecidos, mas os faria diferentes
nessa amizade.
Encontraria um amor bem amado e, tentando puxar
conversa, perguntaria "qual é seu nome?"
Convidaria meus melhores amigos para nossa
primeira cerveja, nossa primeira discussão.
E queria que tudo que fizesse fosse leve de flutuar.
E que o amor que desprezei me incendiasse sem
querer e me dissesse que eu tô viajando.
E que dessa desilusão derramasse vento forte e
tempestade e mais nada que dure mais de uma
semana.
Usaria menos a pontuação.
Faria uma costura bem feita de onde achei que o
peso rebentou até o decolar do novo leve.
E daí começa o esquecimento dos históricos, que
quem é que precisa?
Deixaria a forma como fosse e a cor que quizesse.
A notas se tocariam e a dinâmica nunca foi minha
mesmo.
Acho que eu queria isso.

(Paulinho Gomes Junqueira - 14/01/05)

fim de uma carta velha

(...)
Hoje deve estar meio difícil de entender oque eu
falo... estou com o chakra da verdade confusa todo
arrombado mas ao mesmo tempo a verborragia me
domina, era um bom dia pra ir na aula de
linguística.
outra coisa é que estou afim de fazer teatro, ou
ficar rico, ou me isolar em algum ponto da bahia e
virar pescador, ou ir no jogo do corinthias xingar
o juiz, ou me apaixonar sem querer, ou um boquete
sem amor (não seu), ou só um banho de água de côco...
Crise?
Acho que te vejo logo
beijo

(verão 2005)

26 julho 2007


Ou Carnaval 05?

como desgastei o tato...
eu não sabia de você tão só.
oque se passou com a gente?
aquilo era fogo de ciúme,
ou fiquei com medo de ser pouco.

desculpa te apagar.
busco muito do que não quis nem rastro.
Era mar ou era cerveja no sol?
ou não entendi, ou tento,
ou hoje eu que me apago.

Tava te buscando nas gavetas.
agora há pouco.
era aquele dia ou eu não queria?
Tão linda naquele tempo,
ou eu não vi.

Nossa língua atravessada na briga.
Desculpa mesmo te apagar.
Ou é só esse tal tempo da vida?
sempre é insuficiente,
ou não é tempo de encontro.

Duvidei que te choraria
E mais uma vez você venceu.
Hoje é sem desespero? só melancolia?
ou lamento muito ter que te apagar...
aos poucos.

Nem sei se queria me desculpar
ou as gafes desfazer...
Seria eu hoje não fosse esse passado?
Ou ainda espero receber,
ou ainda tenho a pagar.